Como orientar seus filhos a lidar com suas emoções

A família, além de núcleo reprodutivo, é também um núcleo evolutivo, espaço físico, relacional, social, educativo, formativo, afetivo e amoroso capaz de receber uma nova pessoa e dar-lhe condições de supra-vivência. O novo ser, como sobrevivente, aprende, na família, as bases do consumo, da higiene, da autodefesa, do lazer, da segurança. Mas como supra-vivente, o novo ser aprende, na família, as bases da autonomia, da auto-estima, da cultura, dos valores, dos princípios e da ética.  

Cada uma dessas dimensões é fundamental. Numa, o novo ser será treinado para a vida, noutra, para o mundo. De forma geral, é no ambiente familiar que a criança se familiariza com suas emoções. 

Você sabia que as emoções são o meio de seu filho manifestar o que ele está sentindo? O que significa saber lidar com as emoções? Seria controlar, "esconder" seus sentimentos?

Primeiro, é preciso entendermos que emoção é diferente de sentimento, e que a emoção vem ANTES do sentimento. Significa que, quando você percebe que seu filho chora, fica triste, alegre, nervoso, sente raiva, algo mais profundo aconteceu com ele antes dessa manifestação. Significa também que, lidar com emoções não é o mesmo que explicar sentimentos. 

É a intensidade das emoções que leva a criança a agir e expressar de diferentes modos o que está sentindo e é a maneira como ela interpreta a própria emoção que a leva a agir, por exemplo, com mais ou com menos agressividade. Por isso, uma dica para ajudar a criança a lidar com a emoção é por meio da identificação e acolhimento daquilo que ela sente: diga-lhe que acontecimentos da vida podem, sim, nos fazer chorar e chorar muito, e que, em outros momentos, vamos rir muito também. 

Perceba a diferença entre impor limites ao comportamento e impor limites ao sentimento. Se seu filho estiver chorando ou gritando e você focar sua atenção nessa manifestação de sentimento e obrigá-lo a se "calar", o limite foi imposto aos seus sentimentos e não ao seu comportamento. E isso pode acarretar prejuízos emocionais gerando ansiedade e angústia. 

É muito importante que a criança possa manifestar seus sentimentos com a força que a emoção lhe impuser! Portanto, nos momentos em que isso acontecer, diga-lhe que está, ali, ao seu lado, e que vai esperar que ele se acalme para conversarem sobre o que está acontecendo "dentro dele"... 

Procure colocar toda a sua atenção na emoção que pode estar por trás daquela expressão de sentimentos. A saúde emocional do seu filho, agradece!


IdeaahBeatriz Chaves