Que perfil de família você tem?

QUE PERFIL DE FAMÍLIA VOCÊ TEM?

Entenda o impacto da personalidade da família no comportamento dos filhos.

As crianças nascem em um ambiente que já está prontinho para recebê-las. Esse ambiente se chama “Família”. A maioria é esperada, desejada e acolhida com muita festa e alegria, outras poucas não foram tão desejadas assim e, por isso, esse ambiente não sabe bem o que fazer com aquele pequeno ser que chegou para conviver com os que já o habitam.

A criança sai de um lugar escuro, barulhento e apertadinho, de onde passa cerca de nove meses aguardando conhecer o mundo que a espera lá fora. Hoje, já sabemos que não só o seu corpo se forma durante a gestação, mas também a sua inteligência, a sua personalidade, e até possíveis traumas, já que tudo isso é formado, com ela, nesse mesmo processo de gestação. 

Tudo que ocorre, desde o início da gestação até a chegada de uma criança na família, interfere no modo de ser do filho que está, hoje, com você. Assim como fetos rejeitados podem apresentar sérios distúrbios de comportamento, filhos que se sentem “incompatíveis” com a sua família também estão em risco de desenvolver problemas de comportamento ou, simplesmente, de não serem pessoas felizes. A percepção sensorial que acompanhou o feto na barriga de sua mãe, segue com ele ao longo de toda a infância. E muitos são os significados que eles vão dando ao que está à sua volta, já que os sentidos captam o mundo exterior mesmo que não tenham consciência disso.

O instinto de curiosidade da criança que muitas vezes é abafado, faz com que o perfil e o comportamento da família se tornem um núcleo irradiador de percepções sensoriais constantemente “metabolizadas” por ela das mais diferentes formas. Você já parou para pensar que a sua família pode ter um tipo de personalidade? Do conjunto de atitudes dos pais que, por sua vez, geram reflexos no comportamento dos filhos, podemos obter elementos que auxiliam a família a entrar na mesma sintonia. E esse pode ser um recurso poderoso para o diálogo, a escuta recíproca, ativa e sensível e a receptividade dos filhos ao que os pais têm a ensinar.

É isso mesmo! Família também tem uma personalidade! E essa personalidade é composta de características e comportamentos, de onde coletamos um conjunto de dados e informações que, por sua vez, geram conhecimentos que podem nos direcionar a uma base consistente de inputs orientadores da conexão entre pais e seus filhos. 

Nós dividimos as famílias em dois grandes grupos: estáticas e dinâmicas. As estáticas tem fortes tradições e poucas mudanças a cada geração, as dinâmicas apresentam mudanças mais recorrentes. As estáticas são subdivididas em amparadoras e provedoras, as dinâmicas em estimuladoras e educadoras. Cada uma dessas personalidades tem ainda outras 4 subdivisões e apresentam características positivas e negativas que influenciam a formação e o comportamento das crianças. 

A partir desse entendimento inicial, estamos diante de uma ferramenta que pode resgatar o encantamento de aprender com os pais, minimizando uma série de conflitos e embates desnecessários e que só aprofundam o distanciamento de gerações e a dificuldade de comunicação entre o adulto e a criança ou o adulto e o adolescente.

A cada episódio de embate com o seu filho, lembre-se que está diante de uma oportunidade única de orientá-lo a sair melhor do que um minuto antes! Pergunte-se: eu tenho domínio de que o meu modo de agir nesse momento pode gerar sensações que atingem todos os sentidos do meu filho? Eu conheço as razões que me levam a aumentar a distância do modo de entendimento com ele? Estamos na mesma página, nós, pai e mãe, e o nosso filho, para entrarmos em sintonia, nos momentos em que isso é necessário para ensiná-lo a ser uma pessoa plena e feliz?


IdeaahBeatriz Chaves